top of page

Taberna Marajó abre exposição em Salvaterra neste final de semana

Atualizado: 22 de abr.



A Taberna Marajó é um espaço de vivência que abre as portas, neste sábado, 20, às 16h, para abrigar a exposição “Este é o Meu Lugar”. A programação conta com a roda de conversa  com Ettiene Angelim, intitulada ”Memórias Entrelaçadas: a Trama Cultural de Salvaterra”, às 17h. A iniciativa é do projeto Arte de Casa em Casa, que segue a jornada, selecionado pelo Edital de Artes Visuais da Lei Paulo Gustavo Pará.

 

O Arte de Casa em Casa segue, de Icoaraci, para o maior arquipélago flúvio-marítimo do planeta. Salvaterra é uma das mais importantes das mais de 3 ilhas e ilhotas, do Marajó, um dos maiores cenários ecológicos do Brasil.

 

Além dos artistas residentes, Lúcia Gomes, Galvanda Galvão e Werne Souza, participarão da nova exposição, agora na Taberna Marajó, os artistas locais Ettiene Angelim,  Jônunes, Lupa Jacob, Pompeu e Belmiro Gama. O espaço é cultural, residencial e ainda uma hospedaria que se abre à arte.

 

“A nossa proposta é abrigar apresentações, oficinas, rodas de conversas e outras iniciativas que envolvam o saber e o fazer tradicional, promovendo a troca de conhecimentos e o fortalecimento dos laços entre as pessoas”, diz a comunicadora e proprietária da Taberna Marajó, Ettiene Angelim, que vive no arquipélago.

 

A Taberna Marajó dialoga com iniciativas alinhadas com os valores da sustentabilidade, da inclusão e da diversidade. De acordo com Ettiene Angelim, o desejo é participar dos diálogos e iniciativas que celebram o patrimônio cultural, com objetivo de trazer reconhecimento como local de referência para essas iniciativas.

 

“Queremos nos alinhar com os princípios da preservação e valorização desse patrimônio na comunidade, inspirando novas gerações a celebrar a riqueza da nossa herança cultural”, complementa a moradora da Tabernácula.

 

Artistas do arquipélago ganham destaque na mostra

 

Uma das características do projeto é trazer esse destaque aos artistas locais. “É interessante a diversidade da produção de cada artista, alguns ficam na tênue fronteira da arte única e do artesanato, mas o que é importante é estimular a experimentação nessa vivência", diz Werne Souza, idealizador e coordenador do projeto.

 

Assim, vão participar da exposição o casal de artistas que gerencia um outro espaço na ilha, o Ateliê Caroço Arte , que fica na Vila de Joanes. Jonise Nunes é arte educadora,  artesã e artista visual do espaço Caroço. Ela atua na concepção e criação de peças artísticas. Já Lupa Jacob é desenhista, pintor, designer gráfico, artesão e artista visual. Atua na concepção e criação de peças artísticas

 

Eles produzem peças artísticas a partir de pedaços de madeiras de embarcações, resíduos de canoas, remos e embarcações coletadas nas praias da Vila e  que vêm carregadas de histórias e energias das marés, rios, furos e igarapés.

 

Entre os demais participantes da exposição, está Belmiro Gama, artista plástico de Salvaterra (natural de Ananindeua), com muitas obras (óleo sobre madeira, afrescos, esculturas com material reciclado..). A maior parte de sua obra retrata a natureza, lendas e modos de vida do Marajó.

 

E por fim, destaque ainda para Ronaldo Pompeu, que  transforma Latão e Madeira em Histórias.  Nascido em Belém, mas há mais de 15 anos morando em Salvaterra, ele  encontrou na arte do entalhe uma forma de expressar sua conexão com a natureza, a cultura afro-indígena e a própria alma da ilha.

 

Utilizando materiais como latão e madeira reciclada, ele dá vida a animais, figuras humanas e outros elementos que povoam seu universo criativo. Cada peça é um convite para mergulhar em um mar de significados, onde a tradição se entrelaça com a modernidade e a paixão pela arte se manifesta em cada detalhe.

 

O artista revela que sua jornada no entalhe começou como uma forma de terapia, a partir de um curso realizado na Fundação Curro Velho no final dos anos 90. Desde então, a arte se tornou sua companheira inseparável, um refúgio onde ele encontra paz, inspiração e a oportunidade de compartilhar sua visão do mundo. Sua paixão pela arte e sua conexão com a cultura local incluem Pompeu no cenário artístico de Salvaterra como um exemplo inspirador para todos que apreciam a beleza da arte feita à mão.

 

Entenda o Arte de Casa em Casa

 

Trata-se de um projeto itinerante, idealizado pelo artista visual Werne Souza, do espaço Na Casa do Artista, e que visa conectar espaços residenciais e alternativos que possuem em suas dependências galerias de arte. Iniciou em março, com exposições no Apeú, em Castanhal, ocupando a galeria da Estação Ery Holanda e o Ponto de Cultura e Memória - Estação Apehu História, Humor e Arte. Também esteve em Quatipuru, adentrando na Galeria Direitos Humanos.

 

Em abril, desbravou o Museu Interativo e Atelier Expressart e agora segue para a Taberna Marajó. Diversos artistas participam. Há os residentes e também os convidados a cada nova parada. O público pode acompanhar as novidades pelo perfil @arte_decasaemcasa, no Instagram. O projeto segue até maio com ações em marabá e finalizando na Vila Sorriso, seu ponto de partida e chegada.


“Esse projeto está revelando uma situação muito interessante e rica para as artes visuais nossa. Além de fazer a interação entre os espaços, fazer conexão entre os artistas, do Artista com sua comunidade, dos espaços com sua comunidade, eu tenho percebido um laboratório de produção e processos de criação, que passa pelo atelier coletivo, mas também pelo acolhimento e reconhecimento que os artistas têm, principalmente os locais. Mas isso é assunto mais pra frente, pois ainda está amadurecendo na minha cabeça”, finaliza Werne Souza.

 

Serviço

Abertura da Exposição: “Memórias Entrelaçadas: a Trama Cultural de Salvaterra”. Neste sábado, 20, a partir das 16h, com Roda de conversa: ”Memórias Entrelaçadas: a Trama Cultural de Salvaterra”, às 17h. A mostra ficará aberta de 21 a 30 de abril, sempre de segunda a sábado, das 09h às 12h/15h às 18h. Endereço: Rodovia PA 154, Arena Cimarron, próximo a 13º rua – Marabá – Salvaterra/PA.

--


Fonte: Luciana Medeiros

1 visualização0 comentário

Comentarios


bottom of page