top of page

Peça “O Profeta” será nos dias 24 e 25 de novembro no Theatro da Paz


Por Andreia Machado

Montagem da obra de Khalil Gibran retorna à Belém, com texto e presença de Lúcia Helena Galvão,

nos dias 24 e 25 de novembro, e palestra, no Theatro da Paz


É a segunda oportunidade para ver o espetáculo O Profeta, em Belém. Ano passado, a peça teve apresentação única e agora está de volta ao palco do Theatro da Paz, em duas sessões, na sexta-feira, 24, e no sábado, 25 de novembro, às 20h. Ingressos estão disponíveis na plataforma da ticket fácil ou na bilheteria do teatro.

“O Profeta”, de Khalil Gibran, é uma das obras mais lidas do mundo, tendo sido traduzida para centenas de idiomas, conquistando 100 milhões de leitores no mundo, interessados na jornada turbulenta e incerta do homem pela vida. A transposição para o teatro contou com a parceria entre Lucia Helena e o encenador e diretor Luiz Antônio Rocha. Na peça e no palco, a narrativa é conduzida pelo músico e cantor libanês Sami Bordokan pelas cordas de seu alaúde.

Sami é pesquisador de música árabe clássica e folclórica e faz releituras de temas tradicionais num trabalho de resgate de peças ancestrais. Seu estilo de tocar o alaúde e de cantar é único, reunindo influências diversas desde a música clássica árabe, o canto bizantino, o Sufismo, o flamenco e a música popular brasileira.

Na peça, ele apresenta uma variedade de sons e ritmos, utilizando instrumentos musicais ancestrais. Além do alaúde, a flauta nay, a rabab e a derbak, que são tocados pelo músico William Bordokan, acompanhando o místico canto oriental entonado pelo ator em cena.

100 anos do poema em prosa de Khalil Gibran

“Este ano, completam-se o centenário da publicação de “O Profeta”. Ao longo de 21 capítulos, Gibran discorre sobre os assuntos mais práticos da vida, desde o amor, e o casamento até os filhos; desde o comer e o beber até o amor e a amizade; a alegria, a tristeza, o bem e o mal, a morte e muitos outros aspectos fundamentais da vida humana”, comenta a filósofa Lúcia Helena Galvão Maya.

Lúcia Helena considera que “o profeta está enraizado na própria experiência do autor como um imigrante e serve de inspiração para qualquer um que se sinta à deriva em um mundo em fluxo. A vida e os pensamentos de Khalil Gibran se entrelaçam com as nossas vidas e compõem parte importante do que somos”.

Para o diretor Luiz Antônio Rocha, a peça é uma história de rara beleza. “A força de suas parábolas, a poética musicalidade e a profundeza de seus conceitos são um bálsamo nos dias de hoje. O amor é o fio condutor da história e nos faz redescobrir o papel do coração.”

A peça é promovida pela Nova Acrópole. A programação contará ainda com a presença da professora Lúcia Helena Galvão, que fará um breve momento de perguntas e respostas ao final do espetáculo.

A poesia filosófica de Lúcia Helena Galvão

A autora da adaptação da obra de Kalil Gibran, para o teatro, é a professora e filósofa Lúcia Helena Galvão, que estará em Belém acompanhando as apresentações e também para ministrará, no dia 25, a palestra “O que precisamos saber sobre a felicidade”, às 10h, também no Theatro da Paz e os ingressos também já estão sendo vendidos.

A filósofa, professora, escritora, poeta e palestrante é voluntária há mais de 30 na escola de filosofia Nova Acrópole, ministrando aulas e palestras sobre diversos temas como Ética e Moral, Sociopolítica, Filosofia da História, Introdução à Sabedoria Oriental, Psicologia, Simbologia Teológica, Arte, Estética e História Antiga.

Na pandemia, as palestras da carioca no YouTube se popularizaram, alcançando milhões de visualizações. Somente no Instagram, Lúcia Helena tem mais de 700 mil seguidores. A professora defende que a filosofia pode ajudar desde crianças a adultos.

Como escritora, já publicou seis livros com temática filosófica: "Sonhos trilhando o tempo", "Aroma do Lótus", "Observações Matinais", "Instantes de um tempo interior", "Para entender o Caibalion" e "Uttara Gita". Prefaciou ainda diversas obras como "A Guerra da Arte", de Steven Pressfield e "Luz no Caminho", de Mabel Collins.

Escreveu ainda letras de músicas como "Prudência", cantada por Zizi Possi e dois roteiros para teatro: "Blavatsky, a voz do silêncio" e "O Profeta", que entra em cartaz na semana que vem na capital paraense.

Palestra sobre a Felicidade

Belém também será agraciada com uma palestra especial da ilustre professora Lúcia Helena Galvão. Através do tema “O que precisamos saber sobre a Felicidade”, a Prof. Lúcia Helena Galvão explora o conceito de felicidade sob a perspectiva de grandes filósofos ao longo da história. Ela nos ajudará a compreender como diferentes pensadores abordaram essa questão e como podemos aplicar essas ideias em nossas próprias vidas.

A felicidade é um tema que desperta interesse em todas as épocas e culturas. No entanto, nem sempre é fácil entender o que significa ser feliz e como alcançar essa condição. Através das reflexões filosóficas, é possível ter uma compreensão mais profunda da felicidade e descobrir caminhos mais autênticos para alcançá-la.

Nesta palestra seremos convidados a conhecer diferentes perspectivas filosóficas sobre a felicidade e a apreciar e refletir sobre como essas ideias podem ser aplicadas em nossas próprias vidas.

SERVIÇO

“O Profeta”

Local: Theatro da Paz (Rua da Paz S/N - Centro - Belém-PA)

Datas: 24 e 25 de novembro.

Horário: 20h

Ingressos à venda na bilheteria física e virtual do teatro.

INGRESSOS PEÇA O PROFETA

*Os ingressos vendidos na bilheteria virtual são acrescidos de uma taxa administrativa.

Palestra “O que precisamos saber sobre a Felicidade”, com Lúcia Helena Galvão.

Local: Theatro da Paz (Rua da Paz S/N - Centro - Belém-PA)

Datas: 25 de novembro.

Horário: 10h

Ingressos à venda na bilheteria física e virtual do teatro.

INGRESSSO PALESTRA LUCIA GALVÃO

*Os ingressos vendidos na bilheteria virtual são acrescidos de uma taxa administrativa.

Mais informações: acropole.org.br/belem

FICHA TÉCNICA

Texto: Lúcia Helena Galvão

Interpretação: Sami Bordokan

Encenação: Luiz Antônio Rocha

Participação especial: William Bordokan

Cenário e Figurinos: Eduardo Albini

Projeto de Luz: Ricardo Fujii

Direção musical: Sami Bordokan e William Bordokan

Assistente de direção: Hanna Perez

Vídeo mapping: Júlio Mauro / Cine Mauro

Fotos: João Caldas e Andreia Machado

Direção de arte: Eduardo Albini

Preparação corporal e direção de movimento: Hanna Perez

Caracterização: Mona Magalhães

Adereços e efeitos: Nilton Araújo

Artista têxtil: Priscila Pires

Costureira: Marcela G. F. Artusi

Parceria: Nova Acrópole Brasil

Produção Executiva: Luiz Antônio Rocha

Produção: Espaço Cênico Produções Artísticas



Fonte: Holofote Virtual

13 visualizações0 comentário

コメント


bottom of page