Cordões de Pássaros Juninos encantam os Municípios de Canaã dos Carajás e Parauapebas

Neste final de semana, o Cordão de Pássaro Colibri faz suas últimas apresentações do Circuito que está promovendo desde fevereiro. Agora chegou a vez dos municípios de Canaã dos Carajás (26/03) e Parauapebas (27/03) receberem a peça 'Nas Asas a Liberdade' encenada pelo grupo. Porém não é apenas o Cordão de Pássaro Colibri que vai ser a atração. Canaã e Parauapebas farão as estreias de seus próprios Cordões de pássaros juninos, Arara Azul e Arara Vermelha respectivamente.


Cordões de Pássaros Juninos (Por: Rafael Silva)

As apresentações e criação da Arara Azul (Canaã) e também da Arara Vermelha, (Parauapebas), fazem parte do projeto Criação de dois Cordões de Pássaros e Revitalização com Circuito de Apresentação do Pássaro Colibri de Outeiro, idealizado e conduzido pela guardiã Laurene Ataíde. O projeto conta com o patrocínio do Instituto Cultural Vale, via Lei de Incentivo à Cultura, e começou ainda em dezembro de 2021, com as oficinas de criações de pássaros e a revitalização do Colibri. Para Laurene, a oportunidade de continuar ajudando a incentivar a criação de pássaros é uma satisfação, pois assim ela está dando seguimento ao sonho de sua mãe, Teonila Ataíde, que era encantada pela ópera cabocla, como é conhecida a manifestação popular.

Teonila nasceu em Santo Antônio do Tauá e sua paixão pelos pássaros era desde criança, mas ela não quis ser uma mera espectadora e, em 1971, chamou as famílias da vizinhança em Icoaraci, onde morava, e fundou o Cordão de Pássaro Beija-flor, hoje Cordão de Pássaro Colibri de Outeiro. Neste ano, ela escreveu sua primeira peça “Os Poderes de Uma Feiticeira”, depois escreveu várias outras e, por diversas vezes, foi campeã nos concursos de cordões de pássaros e bichos juninos.

Bruno Cardoso, guardião do Arara Azul, conta que o grupo é formado em sua maioria por adultos e que os desafios são grandes para os ensaios, já que os integrantes precisam se dividir entre as obrigações familiares e profissionais, mas que estão sendo contornadas para que a arte seja valorizada.


“Hoje temos uma criança, cinco jovens, oito adultos e duas senhoras que compõem o Cordão de Pássaro Arara Azul. Os brincantes estão muito empolgados, pois é algo novo para quase todos. Alguns são bailarinos, outros atores, artistas plásticos e admiradores da cultura. Mas, pela primeira vez, estão participando de um cordão e se deparar com essa cultura popular tem encantado bastante a todos”.

A guardiã da Arara Vermelha, Jaerli Campos da Silva, se alegra com a motivação dos brincantes do Cordão e diz que todos estão encantados com a manifestação e ansiosos para a primeira apresentação. “Muitos não tem experiência com o teatro popular e com o canto, pois na peça, além da encenação, há momentos em que os personagens cantam. Eles estão muito animados com esse contato que envolve teatro popular, canto e narrativas populares. É notório o desenvolvimento de cada um nos ensaios”, diz a guardiã. A Arara Vermelha conta com 25 brincantes, entre crianças, jovens e adultos.


“Este projeto é muito significativo para os jovens. É uma tradição da cultura popular paraense e o Cordão de Pássaro Junino é um instrumento cultural que aproxima e estabelece diálogo com a comunidade em geral, dando possibilidades de desenvolvimento social”, afirma.

Serviço: Circuito de Apresentações de Pássaros Juninos


Dia 26/03 - Cidade de Canaã dos Carajás/PA - Arara Azul e Colibri de Outeiro - Horário: 19h - Local: Praça da Bíblia do Novo Horizonte (Av. Rio Branco)


Dia 27/03 - Cidade de Parauapebas/PA - Arara Vermelha e Colibri de Outeiro


1° apresentação: Horário: Das 18h - Local: Centro Cultural Parauapebas (Apoena - Rua Um, S/Nº, Quadra Especial (loteamento Alvorá, atrás do Partage Shopping).


2° apresentação - Horário: As 21h - Local: Praça Mahatma Gandhi (Cidade Nova)


Acompanhe mais novidades sobre as apresentações no Instagram @cordao.de.passaro.colibri.


Texto por: Marcos Paulo e Vivianny Matos

11 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo